Organização

A estrutura organizacional do PPE consiste de um corpo docente de 12 professores permanentes, todos com grau de doutor, apoiados por 24 pesquisadores, além de contar com um corpo técnico-administrativo de 14 funcionários, em sua maioria graduados, distribuídos nas áreas de documentação, informática, secretaria e administração.

A infraestrutura de ensino e pesquisa do PPE inclui um auditório, com 55 lugares, e três salas destinadas à realização de aulas, conferências, seminários e cursos, uma com 45 e duas com 25 lugares, além de salas de professores (uma para cada docente permanente), pesquisadores, alunos e secretarias (acadêmica e financeira). Ademais, visando ampliar a estrutura de ensino e pesquisa do Programa, fez-se a reformulação do local que outrora era destinado à biblioteca. De forma a otimizar a área interna do Programa, na medida em que a biblioteca da COPPE/UFRJ fica localizada a cerca de 500 metros do PPE, procedeu-se a transferência do acervo próprio para a referida biblioteca. Assim, pôde-se reformular o espaço interno, permitindo com isso a construção das seguintes benfeitorias: a) sala de aula, com 25 lugares; b) sala de reuniões e deliberação de bancas de Mestrado e de Doutorado, e c) sala de pesquisadores recém-doutores, com 8 baias.

Além do espaço interno ao PPE, o Programa é responsável pelo Laboratório Interdisciplinar de Meio Ambiente (LIMA) da COPPE/UFRJ, com operação iniciada em 1997; pelo Centro de Economia Energética e Ambiental (Cenergia), implementado em dezembro de 2002; pelo Laboratório de Otimização Avançada (LOA), criado em 2007; e pelo Laboratório de Energias Renováveis e Estudos Ambientais (LEREA), que iniciou operações em 2008. Além disso, o Programa também implantou, na década passada, o Centro de Estudos Integrados sobre Meio Ambiente e Mudanças Climáticas (Centro Clima) e o Laboratório Interdisciplinar de Conflitos Ambientais (LINCA), bem como participou da constituição do Instituto Virtual de Mudanças Globais (IVIG). Tais centros de pesquisa são exemplos recentes e significativos da vocação do Programa para o desenvolvimento de atividades de pesquisa e extensão no campo da engenharia energética e ambiental.

O LIMA tem por objetivo fortalecer a atuação de professores e alunos do Instituto Alberto Luís Coimbra de Pesquisas e Pós-Graduação de Engenharia (COPPE) na área de Engenharia Ambiental, e, mais especificamente, alunos de Planejamento Ambiental do PPE, permitindo a realização de estudos e projetos conjuntos e a consolidação de linhas de pesquisa interdisciplinares nessa área. O laboratório foi criado em dezembro de 1997, com o auxílio da área de Ciências Ambientais do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico (PADCT/CIAMB), utilizando recursos do Banco Mundial e Ministério da Ciência e Tecnologia. Trata-se de um dos resultados do programa de pesquisas integradas conduzido em 1995/97, que envolveu a pesquisa de metodologias de Auditoria Ambiental e a consolidação dos cursos de Mestrado e Doutorado em uma Área Interdisciplinar de Engenharia Ambiental no COPPE/UFRJ, com ênfase nas subáreas de Planejamento Ambiental, Geotecnia Ambiental, Gestão Ambiental da Produção, Tecnologia Ambiental, Modelagem Ambiental, Gerenciamento Costeiro e de Bacias Hidrográficas, Acústica Ambiental, Transportes e Meio Ambiente. As principais linhas de pesquisa do LIMA incluem Energia e Meio Ambiente (Avaliação de Impactos Ambientais do Sistema Energético, Energia Elétrica, Fontes Alternativas de Energia e Eficiência Energética, Petróleo e Gás Natural), Gestão Ambiental Empresarial e Pública, Instrumentos de Planejamento e Gestão Ambiental (Avaliação Ambiental Estratégica, Auditoria Ambiental, Indicadores Ambientais), Responsabilidade Socioambiental e Mudanças Climáticas.

O LIMA encontra-se sob a responsabilidade administrativa do Programa de Planejamento Energético (PPE) da COPPE/UFRJ, ao qual pertence seu Coordenador, Prof. Emilio Lèbre La Rovere, e seu quadro de apoio. O LIMA está conectado por rede de fibra óptica, ao supercomputador Cray da COPPE/UFRJ, dispondo atualmente de: a) 23 estações de trabalho (18 para pesquisadores, 2 para secretaria e 2 para técnico de informática e 1 para designer), b) 1 sala para a coordenação, c) sala de reuniões, eventos e aulas no próprio espaço, com lotação para 25 pessoas, d) centro de documentação (base CARIBE) para guarda/consulta de publicações diversas e relatórios de pesquisa dos projetos ali desenvolvidos, na área de Ciências Ambientais e, e) equipamentos e software, entre os quais 3 servidores, 23 desktops, 4 notebooks, 3 impressoras, 1 projetor e 1 software ARC GIS (geoprocessamento).

As dependências do LIMA também são utilizadas por pesquisadores do Centro Clima, o qual também é vinculado ao Programa de Planejamento Energético, e que se especializa na pesquisa científica na área de Meio Ambiente e Mudanças Climáticas. Convênio fruto da união dos esforços da Secretaria de Qualidade Ambiental nos Assentamentos Humanos (SQA) do Ministério do Meio Ambiente (MMA), que ocupa a vice-presidência da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima, com a COPPE/UFRJ, instituição que desde 1990 vinha realizando uma série de estudos sobre o tema, no plano internacional, participando da elaboração dos relatórios do IPCC-Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas e de estudos para o Secretariado da Convenção do Clima, e nacional, apoiando a Unidade de Mudanças Climáticas do Ministério de Ciência e Tecnologia, elaborando o inventário nacional de gases de efeito estufa do setor energético e, na esfera municipal, o inventário de gases de efeito estufa da cidade do Rio de Janeiro através do Laboratório Interdisciplinar de Meio Ambiente-LIMA/COPPE, o Centro Clima foi criado em 2000 com o objetivo de intensificar a atuação do MMA na área de mudanças climáticas e para promover a capacitação nacional de instituições públicas e não-governamentais, em nível estadual e municipal.

O laboratório é coordenado pelo Prof. Luiz Pinguelli Rosa, e entre suas duas principais linhas de pesquisa, quais sejam “Mitigação das Mudanças Climáticas” e “Vulnerabilidade, Impactos e Adaptação às Mudanças Climáticas”, tem-se como objetivos: a) subsidiar o desenvolvimento de políticas públicas, b) reforçar a capacitação nacional e internacional de atores sociais diversos quanto a ações de mitigação e adaptação às mudanças climáticas, c) elaboração de inventários de gases do efeito estufa e construção de cenários prospectivos de redução de emissões, d) desenvolvimento de projetos inovadores do mecanismo de desenvolvimento limpo e estudos sobre geração de energia.

O Centro Clima compartilha a infraestrutura física e de informática do Laboratório Interdisciplinar de Meio Ambiente – LIMA/COPPE/UFRJ, laboratório de desenvolvimento de estudos e projetos de diversos temas da área ambiental, também ligado ao Programa de Planejamento Energético da COPPE UFRJ. A estrutura física do laboratório provê servidores conectados à rede da UFRJ, com computadores e monitores de última geração conectados em rede, impressoras, scanner e uma plotter, instalados em cinco salas de trabalho. Além disso, há também notebooks para uso dos pesquisadores em caso de viagens à trabalho e reuniões fora do laboratório.

Entre 1997 e 2012, o LIMA foi responsável pela execução de cerca de 160 projetos de pesquisa, muitos dos quais para instituições internacionais. Ao longo desse período, foram firmados convênios, parcerias, acordos de cooperação e contratos com órgãos públicos da administração federal, estadual e municipal, além de empresas e organizações não governamentais. Essas atividades de pesquisa propiciaram a publicação de, aproximadamente, 300 trabalhos científicos, sendo 68 artigos em periódicos nacionais e internacionais, 68 livros ou capítulos de livros, 140 comunicações em Anais de Congressos e 25 artigos em revistas e jornais. Além disso, forneceram material para a elaboração de 49 dissertações de Mestrado e 26 teses de Doutorado defendidas no PPE/COPPE/UFRJ por pesquisadores do LIMA.

Em 2012, a equipe do LIMA e do Centro Clima foi composta por: a) 9 pesquisadores, em sua grande maioria egressos do PPE; b) 23 pesquisadores colaboradores (externos); c) 3 alunos de mestrado e 9 alunos de doutorado também do PPE, c) 5 bolsistas de iniciação científica, d) 3 professores colaboradores em pesquisa do PPE e, d) 3 funcionários de apoio técnico e administrativo.

Por sua vez, o Cenergia se notabiliza pela realização de estudos técnico-econômicos nas áreas de produção e uso de energia, assim como as pesquisas sobre a regulação do setor de infraestrutura, dado que estes são elementos centrais na definição, e implementação de estratégias energéticas que sejam ambientalmente sustentáveis e que se mostrem atraentes do ponto de vista econômico e social para o país. Os projetos e estudos do Cenergia estão divididos em cinco linhas de pesquisa: a) oferta de energia, b) demanda de energia, c) regulação dos setores de infraestrutura, d) valoração econômica do meio ambiente e, d) impactos ambientais e indicadores de sustentabilidade com ênfase para as mudanças climáticas.

Situado no Bloco I, sala I-034, do Centro de Tecnologia da COPPE/UFRJ, o laboratório possui 12 estações de trabalho, sala de reunião completamente equipada para multimídia, centro de documentação e publicações, além de equipamentos de informática, como computadores, impressoras, rede wireless, entre outros.

Atualmente participam do Cenergia, utilizando essa estrutura, 12 pesquisadores, entre os quais 3 estudantes de mestrado e 9 de doutorado, e uma bolsista de IC, os quais em conjunto aos professores Alexandre Szklo e Roberto Schaeffer, respectivamente coordenador e vice-coordenador do laboratório, participam ativamente na elaboração de projetos e relatórios de pesquisa, extensão e desenvolvimento. No período 2007-2012, pode-se citar, entre outros projetos desenvolvidos pelos professores e pesquisadores: 1) Matriz Energética de Minas Gerais 2030, 2) Economics of Climate Change in Brazil, 3) Climate Change and Energy Security in Brazil, 4) Análise do Risco Carbono de Empresas Selecionadas de Petróleo, 5) Impactos dos Tributos Incidentes Sobre os Combustíveis Automotivos no Brasil, 6) Estudos Sobre as Ameaças e as Oportunidades Relativas ao problema das Mudanças Climáticas Globais sobre o Setor de Petróleo e Gás e Proposição de Ações por Parte da Petrobras Para Lidar com o Risco Carbono, 7) Energia e Economia Verde – Cenários futuros e políticas públicas, 8) Impactos da Adoção de Metas de Redução de Emissão de Gases de Efeito Estufa sobre Setores Energointensivos do Estado do Rio de Janeiro, Alternativas e Custos de Mitigação, 9) Potencial de mitigação da energia eólica no Brasil, 10) Estudo sobre os potenciais impactos da adoção de mecanismos de mercado para mitigar as emissões do transporte marítimo, 11) Incentivando a geração distribuída No Brasil: Avaliação de cenários de expansão de GD, entre outros.

O Laboratório de Otimização Avançada (LOA), criado em 2007, e também pertencente ao PPE, enfatiza o desenvolvimento e disponibilização aberta de pacotes de otimização com ênfase no setor energético. Trata-se, portanto, de um laboratório aberto a projetos externos e colaborações com outros grupos e laboratórios da UFRJ, além de outras instituições de pesquisa e ensino superior do Brasil, que abarca professores e alunos vinculados às linhas de pesquisa da modelagem energética e ambiental.

O laboratório possui 3 estações de trabalho, servidores de otimização avançada (8 nós), bem como possui outros equipamentos de informática (computadores, impressoras, entre outros), para auxiliar os pesquisadores em suas atividades. O mesmo divide com o Cenergia a sala de reuniões e o centro de documentação e publicações, bem como a estrutura administrativa, que inclui uma secretária e equipamentos de telecomunicação (telefones, fax, entre outros).

Participam do LOA, atualmente, 2 professores permanentes (Luiz Fernando L. Legey e Lúcio G. T. Carpio), 1 aluno de mestrado e 2 alunos de doutorado do PPE, além de 7 colaboradores externos (6 vinculados a Universidades do Brasil e 1 vinculado à Universidade Politécnica de Valência).

O Laboratório de Energias Renováveis e Estudos Ambientais (LEREA) foi criado com o objetivo de desempenhar pesquisas nas áreas de energia solar e de estudos de emissão de gases de efeito estufa (GEE) em reservatórios hidrelétricos. Em sentido amplo, o LEREA assume o formato de um laboratório híbrido, onde há o desenvolvimento de pesquisas nas áreas de energia renovável e do meio ambiente. O mesmo dispõe de tecnologia suficiente para iniciar diversas linhas de pesquisas na área ambiental, como: a) analise de absorção atômica para estudos com metais em geral, b) cromatografia gasosa para detecção de gases, c) sistema automatizado de análise de demanda bioquímica de oxigênio (DBO), e d) espectrofotometria UV-Visível para análise de qualidade da água.

Ademais, outra finalidade do laboratório é dar suporte acadêmico às aulas de graduação e pós-graduação com temáticas práticas sobre o meio ambiente. Sob a orientação dos professores Marco Aurélio dos Santos e Maurício Cardoso Arouca, participam do laboratório 4 alunos-pesquisadores (2 de Doutorado e 2 de Mestrado), os quais se utilizam dos equipamentos para a realização de experimentos, e, por conseguinte desenvolvimento das suas pesquisas com vistas à elaboração de Teses/Dissertações e projetos de pesquisa e de extensão. Estes ocupam um espaço localizado junto à sala I-211, no Centro de Tecnologia da COPPE, onde lhes são disponibilizadas quatro estações de trabalho, softwares para modelagem, 4 computadores, 2 impressoras, entre outros.

Já, o Laboratório Interdisciplinar de Conflitos Ambientais (LINCA) configura-se como centro de referência no estudo das questões relacionadas à Gestão Ambiental. O mesmo objetiva analisar os aspectos institucionais e legais do meio ambiente, com destaque para o gerenciamento de bacias hidrográficas, o gerenciamento de resíduos sólidos, as normas e padrões de controle e monitoramento, o licenciamento e avaliação de impacto ambiental, análise de ciclo de vida de processos industriais, e demais instrumentos de política e gestão ambiental. Outras áreas de atuação a serem destacadas são: a) ecologia industrial e desenvolvimento de parques ecoindustriais, b) técnicas de auxilio a Decisão, c) análise multicritério, e d) gestão de conflitos ambientais.

O LINCA é vinculado às linhas de pesquisa da Gestão Ambiental e Economia do Meio Ambiente, motivo pelo qual o mesmo é coordenado pela professora Alessandra Magrini. O laboratório utiliza-se das instalações do próprio PPE, por isso tendo acesso à estrutura administrativa do PPE. Possui uma sala própria para os pesquisadores, com 4 estações de trabalho, 4 computadores e 1 impressora, na qual desenvolvem suas pesquisas 1 estudante de pós-doutorado (egresso do Programa) e três alunos de doutorado.

Finalmente, o PPE ainda participa do Instituto Virtual de Mudanças Globais (IVIG). Criado em 1999, o laboratório atua no desenvolvimento de estudos e pesquisas em vertentes estratégicas, no sentido de atender a demandas de interesse local, regional e nacional nas áreas de energia e meio ambiente, em parceria com outras Universidades, Instituições governamentais e empresas nacionais e internacionais.

O IVIG atua em diversas áreas do conhecimento tecnológico e científico, na criação e desenvolvimento de tecnologias de produção e uso eficiente de energia e de baixo impacto ambiental, de forma a contribuir tanto para minorar problemas ambientais advindos de crises energéticas e de riscos tecnológicos, quanto para incrementar, direta ou indiretamente, ações que resultem na sustentabilidade do desenvolvimento do País. O laboratório abriga a secretaria executiva do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas (FBMC), e coaduna com o grande tema das Mudanças Globais.

Entre seus temas de pesquisa, destacam-se: a) transportes e mudanças climáticas, b) emissões históricas e acordos internacionais, c) emissões de hidrelétrica, d) tecnologia do biodiesel, e) risco tecnológico e ambiental, f) energias renováveis, g) aproveitamento energético de resíduos e biomassa, h) gestão e regulação da água, e i) sustentabilidade das construções.

Além de possuir uma planta piloto de biodiesel, com capacidade de produzir 25 mil litros de biodiesel por dia, o IVIG possui o Centro de Energia e Tecnologia Sustentáveis (CETS), que é construção experimental eco-sustentável de 500 m2, a qual comparada a projetos similares que usam materiais e métodos tradicionais reduz em cerca de 250% a emissão de carbono na atmosfera, e em 90% o consumo de energia.

O IVIG oferece mais de 70 estações de trabalho fixas distribuídas nas dependências do CETS, no prédio I-129, localizado no Centro de Tecnologia da COPPE, e mais 30 estações móveis (Notebooks) interligadas por mais de 15 servidores HP de ultima geração. O IVIG conta ainda com: a) Portal de Intranet para uso dos funcionários e pesquisadores, b) auditório com capacidade para 50 pessoas, c) sala de reuniões, com capacidade para 10 pessoas, e d) ampla estrutura administrativa, com secretaria, pessoal de manutenção técnica e limpeza, entre outros.

Fazem parte do laboratório os professores Luiz Pinguelli Rosa e Marcos A. V. Freitas, assim como 26 alunos de doutorado, 22 alunos de mestrado e 2 pós-doutorandos do PPE. Além disso, o IVIG possui 31 alunos de Iniciação Científica e pesquisadores contratados, entre os quais egressos do Programa. Toda essa equipe, além de desenvolver pesquisa relacionada a trabalhos de conclusão/teses/dissertações junto às dependências do laboratório, sobretudo nas estações experimentais (usina de biodiesel e CETS), atua junto a projetos de pesquisa extensão.

Informações adicionais sobre alguns laboratórios podem ser obtidas em seus sites, quais sejam:

   a) Centro Clima (http://www.centroclima.coppe.ufrj.br)

   b) LIMA (http://www.lima.coppe.ufrj.br)

   c) IVIG (http://site.ivig.coppe.ufrj.br)